a Bombinhas em Foco ( 17/12/2017 ) a

Túnel

Em viagem a Minas Gerais, Dom Pedro II foi de trem do Rio de Janeiro a Barbacena e a partir daí a cavalo, enquanto a imperatriz seguia de liteira. Corria o ano de 1881. Observador, o imperador olhava tudo, ouvia, interrogava e fazia muitas anotações a lápis no seu diário: “... o trem veio com velocidade de 29 a 30 km/h e não balançava ... (porém) a estrada de ferro parece mal estudada (...). Talvez alguns túneis tivessem poupado bastante despesa”.

Passados 150 anos, continuamos fazendo estradas mal estudadas, conforme a observação de Dom Pedro II, que jamais poderia imaginar que as estradas do futuro (infelizmente não mais as de ferro), receberiam dezenas de milhares de veículos, pretensamente para seguir com segurança a pelo menos 80 km/h ou mais, mas que na maior parte do tempo ficam presos, engarrafados ou devagar-quase-parando no trânsito infernal de nossas vias públicas urbanas e mesmo interurbanas.

Um bom exemplo é a ligação entre Porto Belo e Bombinhas. Porto Belo, que fica no caminho, acaba pagando o pato por engarrafamentos quilométricos dos que se destinam à vizinha Bombinhas. Situação ruim para ambos os municípios. Para tentar resolver isso, existe o projeto de uma nova rodovia. Acontece que no meio do caminho existe o morro de Zimbros, uma belíssima cadeia montanhosa coberta de exuberante floresta atlântica nativa. Para a paisagem, uma maravilha. Para a rodovia, um problema.

Mesmo considerando a boa intenção de minimizar os impactos ambientais, como com a construção de passagens seguras para a fauna e outros cuidados paisagísticos e ecológicos, cresce naqueles municípios, principalmente Porto Belo, um movimento pela alternativa de um túnel, no lugar da rodovia superficial.

Participei das duas audiências públicas de apresentação do Relatório de Impacto Ambiental desta rodovia. Também tomei conhecimento dos argumentos favoráveis ao túnel, que me pareceram bastante consistentes, principalmente se pensarmos no longo prazo: paisagens e mananciais preservados, custo de construção nem tão mais alto assim, em boa parte compensado depois por um menor custo de manutenção do túnel. Haveria em perpetuidade maior garantia de proteção ambiental, menos ruídos e menos poluição atmosférica gerada por milhares de veículos deslocando-se por distâncias bem maiores e queimando mais combustível em marchas reduzidas para aclives.

A diferença de custo da obra poderia ser compensada, também, com o pagamento de um pedágio unidirecional antes do túnel. A economia de combustível graças a um trajeto bem mais curto e plano compensaria o pedágio! Que se pense bem antes de se decidir pela estrada, para que depois, tarde demais, alguém diga mais ou menos como há 150 anos: “talvez aquele túnel tivesse poupado bastante despesa ...”.





Fonte: JORNAL DE SANTA CATARINA (Blumenau – SC)

 

 

 

 

 

 

banner

Copyright © 2007 Todos os Direitos Reservados - Fazendo Site